Papo de gestantes: Alimentação na gravidez (Parte 2)

16:45


Para reduzir a prisão de ventre

Uma queixa muito comum na gestação é a do intestino preso. Há medicamentos específicos para contornar esse problema, mas também é possível melhorar o funcionamento do intestino comendo alimentos com mais fibras e bebendo muita água. Sucos caseiros, feitos com iogurte, linhaça, gergelim, sementes de girassol e ameixa,
costumam dar muito certo.



Alívio ao refluxo!

A partir do sétimo mês, é comum a gestante sentir certa queimação no estômago. Isso tem nome: refluxo. O útero cresce muito e aperta
o estômago. O que tem dentro dele, quase invariavelmente, volta para o esôfago. Para evitar esse desconforto, melhor comer alimentos de digestão rápida, como os carboidratos (arroz, pão, batata, macarrão), especialmente à noite.
Comidas ricas em gorduras (os óleos vegetais) e as proteínas (como as carnes), que são digeridas mais lentamente, devem ser saboreadas com parcimônia, de preferência na hora do almoço.


Existem, claro, alguns cuidados e restrições. No caso das saladas, por  exemplo, é melhor que as folhas sejam sempre lavadas com hipoclorito  de  sódio,  substância usada  para  esterilizar.  Quando não se tiver certeza da assepsia, melhor optar por legumes e verduras cozidos. Eles não têm tantas vitaminas quanto os vegetais crus, mas oferecem baixíssimo risco de contaminação por bactérias.
  Os peixes, ótimas fontes de proteína, também merecem atenção. Eles  infelizmente não  devem  ser  consumidos  todos os dias pelo  risco  de  contaminação  por mercúrio, metal pesado que muitas vezes contamina  as águas e se encontra nos pescados. Se ultrapassar o limite e chegar ao bebê, poderá afetar seu sistema nervoso.
Adoçantes como o aspartame, a sucralose e a estévia são seguros porque, consumidos com moderação, não oferecem risco ao bebê. Já a sacarina e o ciclamato podem causar câncer de bexiga no feto. Apesar de a chance de o problema ocorrer ser muito pequena, melhor não arriscar.

Os refrigerantes e iogurtes dietéticos têm grande quantidade de sacarina e ciclamato e, por isso mesmo, devem ter o consumo reduzido a uma vez na semana. A mesma orientação de consumo moderado serve para os enlatados e embutidos. Eles têm uma quantidade excessiva de um conservante, o nitrito, usado para evitar a contaminação por botulismo.

Altas doses de nitrito na gestação, porém, podem aumentar as chances de  o bebê  sofrer  alterações  na  oxigenação  e de ter câncer de bexiga. Mas, calma, não são nove meses só de carne vermelha, frutas, verduras e legumes!
A grávida pode tomar, por exemplo, até duas xícaras de café por dia.  E, se quiser saborear um bom chocolate, pode degustar  um bombom de  até  20  gramas diariamente — o limite, no caso, é para não extrapolar nas calorias. Também está liberada para se divertir, duas vezes na semana, com pão ou pizza ou ainda com bolo e doces feitos com açúcar branco.

O que toda gestante precisa se lembrar, para ter força de vontade, é que esse período diferente, com um pouco de restrições e muita  disciplina, dura  apenas nove meses, e não nove anos. Nove meses passam depressa! E, se ela se alimentar direito, estará gerando uma criança muito mais saudável, com certeza.

Leia também

0 comentários

Ficamos felizes com sua visita e comentário! :)

Posts Recentes

Fanpage